O tempo na terceira Enéada de Plotino

Daniel Schiochett

Resumo


Plotino é conhecido pela doutrina das três hipóstases: o Uno, a Inteligência e a Alma. Enquanto neoplatônico, sua doutrina é pensada a partir da visão platônica do mundo. Todavia, na terceira Enéada o filósofo se põe a discutir longamente a concepção antiga do tempo, fortemente devedora da doutrina aristotélica. Plotino, ao seu modo, consegue reinterpretar e adequar a noção aristotélica do tempo à concepção de mundo platônica. O tempo, para Plotino, por um lado, permanece referido ao movimento, concordando com Aristóteles, e por outro, é imagem de uma outra forma mais perfeira, a eternidade, concordando com a divisão do mundo em sensivel e supra-sensível de Platão. Por conseguir compreender o tempo a partir desses dois registros, o platônico e o aristotélico, Plotino figura como um ponto importante para se compreender as teorias do tempo que vieram depois dele, principalmente a de Santo Agostinho. Nosso ensaio pretende discutir a noção de tempo em Plotino, a partir da terceira Enéada, a fim de fornecer instrumentos para tal compreensão.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Daniel Schiochett

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br