Peter van Inwagen sobre Causalidade e Determinação no Problema do Compatibilismo

Patricia Ribolli Fachin

Resumo


Um dos equívocos fundamentais da posição que argumenta pela compatibilidade entre livre-arbítrio e determinismo na resolução do problema do compatibilismo na modernidade é tomar causalidade por determinação. Essa confusão tem origem em Hume e na sua proposta de compatibilizar liberdade com necessidade na discussão desta querela. Entretanto, em An Essay on Free Will (1983), Peter van Inwagen, amparado na argumentação de Elizabeth Anscombe, demonstra que essa associação é equivocada à medida que determinismo e causalidade significam estados de coisas distintos, e o primeiro inviabiliza a existência do livre-arbítrio, enquanto o segundo, não. Diante desse quadro, este artigo tem dois objetivos: a) apresentar as distinções entre causalidade e determinação feitas por van Inwagen e Anscombe, a fim de auxiliar no entendimento da obra An Essay on Free Will (1983), uma vez que van Inwagen menciona a argumentação da filósofa britânica como fundamental para esclarecer essa confusão, sem apresentá-la diretamente nesse livro e, consequentemente, b) explicitar que esses dois estados de coisa não são o mesmo. Assim, o artigo será dividido em três partes centrais: na primeira delas apresentarei um breve panorama histórico de como Hume, considerado um dos mais influentes compatibilistas, estabeleceu uma conexão necessária entre causalidade e necessidade, dando origem à interpretação de que causalidade implica necessidade (determinação) – o que foi seguido na tradição compatibilista; na segunda parte vou expor os argumentos de Anscombe contrários a essa conexão; e, por fim, explicitarei o tratamento de van Inwagen acerca da tese determinista para esclarecer porque a determinação implica na não existência do livre-arbítrio, enquanto a causalidade, não.


Palavras-chave


Compatibilismo. Incompatibilismo. Causalidade. Necessidade. Anscombe.

Texto completo:

PDF

Referências


ANSCOMBE, G. E. M. Causality and Determination. In: SOSA, E. and TOOLEY, M. Causation. Oxford University Press, 1993, p. 88-104.

CLARKE, R. Incompatibilism. In: CLARKE, R. Libertarian Accounts of Free Will. Oxford University Press, 2003, p. 3-14.

CLARKE, R. and CAPES, J. Incompatibilist (Nondeterministic) Theories of Free Wil. The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Spring 2017 Edition). URL . Acesso em maio de 2017.

CAMPBELL, J.; O’ROURKE, M. and SHIER, D. Freedom and Determinism: A Framework. In: CAMPBELL, J.; O’ROURKE, M. and SHIER, D. Freedom and Determinism. Cambridge: Massachusetts Institute of Technology, 2004, p. 1-18.

CHAPPELL, V. Introduction. In: CHAPPELL, V. Hobbes and Bramhall on Liberty and Necessity. Cambridge: Cambridge University Press, 1999, p. ix-xxiii.

FISCHER, J.; KANE, R.; PEREBOOM, D. and VARGAS, M. Four Views on Free Will. Oxford: Blackwell Publishing, 2007.

MELE, Alfred. Free-will and Luck. Oxford University Press, 2013.

___________. Causation, Action and Free Will. In: BEEBEE, H. HITCHCOCK, C. and MENZIES, P. (Org.). The Oxford Handbook of Causation. Oxford University Pressão, 2009, p. 486-502.

FRANKFURT, H. Alternate Possibilities and Moral Responsibility. The Journal of Philosophy, Vol. 66, No. 23 (Dec. 4, 1969), p. 829-839.

GARRETT, B. Metafísica: conceitos-chave em filosofia. Porto Alegre: Artmed, 2008.

HARRIS, J. Introduction from Locke to Dugald Stewart. In: Of Liberty and Necessity. The Free Will Debate in Eighteenth-Century British Philosophy. New York: Oxford University Press, 2005, p. 1-18.

_____________. Hume’s Reconciling Project. In: Of Liberty and Necessity. The Free Will Debate in Eighteenth-Century British Philosophy. New York: Oxford University Press, 2005, p. 64-86.

HOBART, R. E. Free Will as Involving Determination and Inconceivable without it. Mind. A Quarterly Review of Psychology and Philosophy. V. XLIII, N. 169. Jan. 1934, p. 1-27.

HOBBES, T. Leviatã, ou, Matéria, Forma e Poder de um Estado Eclesiástico e Civil. 3. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

HOEFER, C. Causal Determinism. The Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2016. Disponível em: . Acesso em mai.2018.

HOOK, S. Determinismo e Liberdade: Na Era da Ciência Moderna. São Paulo: Fundo de Cultura, 1964.

HUME, D. Da Vontade e das Paixões Directas. In: Tratado da Natureza Humana. Coimbra: Calouste Gulbenkian, 2001, p. 465-424.

HUME, David. Da liberdade e necessidade. In: Investigações sobre o entendimento humano e sobre os princípios da moral. São Paulo: Unesp, 2003, p. 119-146.

INWAGEN, P. Lehrer on Determinism, Free Will, and Evidence. Philosophical Studies, V. 23:5. 1972, p. 351-357.

____________. An Essay on Free Will. New York: Clarendon Press – Oxford, 2002.

____________. When is the Will Free? Philosophical Perspectives, 3. Philosophy of Mind and Action Theory, 1989, p. 399-410.

____________. Some Thoughts on An Essay on Free Will. The Harvard Review of Philosophy, V. XXII, 2015, p.16-30.

____________. The Problem of Fr** W*ll. Oxford Scholarship Online, 2016, p. 1-26.

KANE, Robert. The Oxford Handbook of Free Will. New York: Oxford University Press, 2002.

____________. A Contemporary Introduction to Free Will. New York: Oxford University Press, 2005.

MCKENNA, M. and COATES, D. Compatibilism. The Stanford Encyclopedia of Philosophy (Winter 2016 Edition). URL = . Acesso em maio de 2017.

MELE, Alfred. Free-will and Luck. New York: Oxford University Press, 2013.

___________. Free. Why science hasn't disproved free will. New York: Oxford, 2014.

___________. Causation, Action and Free Will. In: BEEBEE, H.; HITCHCOCK, C. and MENZIES, P. (Org.). The Oxford Handbook of Causation. New York: Oxford University Press, 2009, p. 486-502.

MORRIS, W. and BROWN, C. David Hume. The Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2017. Disponível em: https://plato.stanford.edu/archives/spr2017/entries/hume/

MUMFORD, S. What is a cause? In: Metaphysics. A Very Short Introduction. Oxford University Pressão, 2012, p. 44-54.

MUMFORD, S. and ANJUM, R. Causation. A Very Short Introduction. New York: Oxford University Press, 2013.

MOTA, J. Dicionário de Filosofia. Tomo 1. São Paulo: Edições Loyola, 2000, p. 690-693.

O’CONNOR, T. The Metaphysics of Free Will. In: Persons & Causes. The Metaphysics of Free Will. Oxford University Press, 2000, p. 67-84.

___________________. Free Will. The Stanford Encyclopedia of Philosophy, 2016. Disponível em: . Acesso em jan.2017.

RUSSELL, P. Hume on Free Will. The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Disponível em: https://plato.stanford.edu/archives/win2016/entries/hume-freewill. Acesso em dez. 2016.

SOSA, E. and TOOLEY, M. Causation. New York: Oxford University Press, 1993.

STRAWSON, G. The Impossibility of Moral Responsibility. Philosophical Studies, v. 75, n. 1/2, 1994, p. 5-24.

_____________. Introduction. In: STRAWSON, G. Freedom and belief. Oxford University Press, 1986, p. 1-20.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Patricia Ribolli Fachin

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br