A finitude do Dasein e a temporalidade originária

Neusa Rudek Onate

Resumo


Objetiva-se analisar a concepção heideggeriana de tempo e temporalidade originária. O que se busca mediante a análise do tempo é a compreensão da essência finita do Dasein. Sob esta conjectura, sustenta-se que o instante (Augenblick) da unificação originária das unidades triádicas do porvir (Zukunft), vigor-de-ter-sido (Gewesenheit) e atualidade (Gegenwart), é a própria temporalidade originária, que possibilita a síntese pela qual se forma a transcendência e, assim, a finitude do Dasein, ambas desenvolvidas em Ser e tempo. A noção de tempo originário se apresenta como o sentido de projeção para as possibilidades da existência do Dasein, fixando-se nele o caráter fenomenal da temporalidade originária enquanto totalidade do Dasein.


Palavras-chave


Heidegger; fenomenologia; temporalidade originária.

Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. A linguagem e a morte: um seminário sobre o lugar da negatividade. Trad. Henrique Burigo. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006.

ALVES, Pedro M.S. A ideia de uma filosofia primeira na fenomenologia de Edmund Husserl. Uma tentativa de interpretação. In: Philosophien 7, Lisboa, Edições Colibri, 1996, pp. 3-37.

AINBINDER. B. “Introducción de la filosofia trascendental a la ontologia fundamental”. In: Studia Heideggeriana – Heidegger e Kant. Volume I, Buenos Aires: Teseo, 2011, pp. 9-24.

BLANC, Mafalda Faria. O fundamento em Heidegger . Institution Piaget, Lisboa.

BLATTNER, William. Heidegger’s Temporal Idealism. NewYork: Cambridge. University Press, 1999.

CIVITA, Victor. Os Pensadores Pré-socráticos. Vida e Obra. Tradução: Equipe Editora Nova Cultural, Nova Cultural: São Paulo, 1996.

ESCUDERO, J. A. A linguagem de Heidegger – Dicionário filosófico 1912-1927. Barcelona: Herder editorial, 2009.

HEIDEGGER, M. Ser e tempo. Tradução de Marcia Sá Cavalcante Schuback. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

________, M. Tempo e ser (1962). In: tradução de Ernildo Stein. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, pp. 1979, 255-271.

________, M. Os problemas fundamentais da fenomenologia. Trad. Marco Antonio Casanova. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

________, M. Princípios metafísicos de la lógica a partir de Leibniz . Trad. Juan José García Norro. Madri: Editorial Sintesis, 2007.

________, M. Ontologia: Hermenêutica da Facticidade. Trad. Renato Kirchner. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

________, M. O conceito de tempo. Trad. Jesús Adrian Escudero. Bercelona: Herder, 2008.

________, M. Prolegómenos para una história do concepto del tiempo. Trad. Jaime Aspiuza. Madrid: Alianza, 2008.

________, M. O que é metafísica? (1929) In: Tradução de Ernildo Stein. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1979, pp. 25-63.

________, M. Lógica: La pregunta por la verdad . Tradução de J. Alberto Ciria. Alianza Editorial, S. A. Madrid, 2004.

KAHLMEYER-MERTENS, R. S. 10 Lições sobre Heidegger. Petrópolis: Vozes, 2015.

________, R. S. Destruição da história da educação: indicações programáticas a partir da hermenêutica heideggeriana. In: Filosofia e Educação – ISSN 1984-9605 Volume 6, Número 3, p.117- 136, outubro de 2014.

LÉVINAS, Emmanuel. Descobrindo a existência com Husserl e Heidegger. Instituto Piaget, s/d. Ipseitas, São Carlos, vol. 1, n. 1, p. 86-105, jan-jun, 2015.

ONATE, A. M. Ficção e tempo na filosofia de Edmund Husserl. Porto Alegre: EdiPUCRS, 2016.

________, A. M. O lugar do transcendental. Rev. Filos., v. 19, n 24, p. 131-145, jan/jun. 2007.

REIS, J. “O tempo em Heidegger”. In: Revista Filosófica de Coimbra – nº 28, Coimbra: pp. 369-414, 2005a.

REIS, R. R. “Heidegger e a ilusão transcendental”. In: Studia Heideggeriana – Heidegger e Kant. Volume I, Buenos Aires: Teseo, pp. 183-218, 2011.

________, R.R. Heidegger: origem e finitude do tempo. In: Dois pontos, p. 99-126, agosto, 2005b.

________, R. R. Modalidade existencial e indicação formal: elementos para um conceito existencial de moral. Natureza Humana, São Paulo, v. 2, n. 2, p. 273-300, 2000.

RIVERA, Jorge E. e STUVEN, Maria T. Comentario a Ser y tiempo de Martin Heidegger. Vol. III, Segunda Seccion. Santiago: Ediciones Universidad Católica de Chile, 2015.

RODRÍGUEZ, R. La exposición de la tarea de um análisis preparatório del Dasein. En: Ser y tiempo de Martin Heidegger. Un comentario fenomenológico. Madrid: Tecnos, 2015.

________, R. La transformación hermenêutica de la fenomenologia. Madrid: Tecnos, 1997.

VOLPI, Franco. Heidegger e Aristóteles. Tradução de José Trindade dos Santos, Edições Loyola, São Paulo, 2013.

WAELHENS, Alphonse. La filosofía de Martin Heidegger . Traducción de Ramón Ceñal. Universidad Autonoma de Puebla, 1986.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Neusa Rudek Onate

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br