O objeto intencional enquanto tal: a expressão e aquilo que é expresso

Allan Josué Vieira

Resumo


O objetivo do presente texto é explorar a teoria husserliana da significação exposta nas Investigações lógicas e posteriormente modificada nas Lições sobre a Teoria da Significação de 1908. A questão central que colocará em andamento as análises aqui apresentadas será a de saber o que é efetivamente expresso, desde a perspectiva fenomenológica oferecida por Husserl, ao utilizarmos uma expressão para nos referirmos a algo. Procuraremos mostrar como determinadas mudanças no pensamento husserliano conduzem à afirmação de que aquilo que é primariamente expresso é o objeto ou a situação objetiva referidos. No entanto, isso se dá de tal modo que a distinção entre significação e referente não se torna inócua. O objeto expresso o será enquanto objeto significado; ou, mais amplamente, como objeto intencional enquanto tal, enquanto visado. Essa ideia constituirá, então, um sentido pregnante de significação, que não se deixará reduzir à mera intenção contida no ato de consciência que visa uma objetidade. As especificidades de uma abordagem estritamente fenomenológica, no sentido husserliano, demarcarão um modo próprio de se abordar o fenômeno da significação e as questões a ele vinculadas.

Palavras-chave


Significação. Expressão. Objeto intencional. Fenomenologia. Husserl

Texto completo:

PDF

Referências


BENOIST, J. Husserl et le mythe de la signification. Tijdschrift voor Filosofie, 57ste Jaarg., n. 3, p. 526-552, 1995.

BERNET, Rudolf. Perception, Categorial Intuition and Truth in Husserl’s Sixth “Logical Investigation”. In: SALLIS, J. C.; MONETA, G.; TAMINIAUX, J. (Ed.). The Collegium Phaenomenologicum: The First Ten Years. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1988, p. 33-45. (Phaenomenologica).

COBB-STEVENS, R. Husserl and Analytic Philosophy. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1990. (Phaenomenologica).

DRUMMOND, J. J. Husserlian Intentionality and Non-Foundational Realism. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1990. (Contributions to Phenomenology).

FISETTE, D. Signification et essence. Les Leçons de 1908 de Husserl sur sa doctrine de la signification. Dialogue, v. 30, issue 1-2, p. 33-50, 1991.

FOLLESDAL, D. Husserl’s Notion of Noema. The Journal of Philosophy, v. 66, n. 20, p. 680-687, 1969.

FREGE, G. Sobre o sentido e a referência. In: ______. Lógica e filosofia da linguagem. Tradução de P. Alcoforado. 2. ed. São Paulo: EDUSP, 2009, p. 129-69.

GONZÁLEZ PORTA, M. A. Edmund Husserl: psicologismo, psicologia e fenomenologia. São Paulo: Edições Loyola, 2013.

HUSSERL, E. A filosofia como ciência de rigor. 2 ed. Tradução de A. Beau. Coimbra: 1965.

______. Cartesianische Meditationen und Pariser Vorträge. 2. Auflage. Den Haag : Martinus Nijhoff, 1973a. (Husserliana I).

______. Die Idee der Phänomenologie. 2. Auflage. Den Haag: Martinus Nijhoff, 1973b. (Husserliana II).

______. Transzendentale und formale Logik. Versuch eine Kritik der logischen Vernunft. Den Haag: Martinus Nijhoff, 1974. (Husserliana XVII).

______. Ideen zu einer reinen Phänomenologie und phänomenologischen Philosophie. Erstes Buch: Allgemeine Einführung in die reine Phänomenologie. 3. Auflage. The Hague: Martinus Nijhoff, 1976a. (Husserliana III/1).

______. Die Krisis der europäischen Wissenchaften und die transzendentale Phänomenologie. 2. Auflage. Den Haag : Martinus Nijhoff, 1976b. (Husserliana VI).

Ideas Pertaining to a Pure Phenomenology and to a Phenomenological Philosophy. Third Book. Translated by T. E. Klein and W. E. Pohl. The Hague: Martinus Nijhoff Publishers, 1980.

______. Logische Untersuchungen. Zweiter Band, Ester Teil: Untersuchungen zur Phänomenologie und Theorie der Erkenntnis. Dordrecht/Boston/Lancaster: Martinus Nijhoff Publishers, 1984. (Husserliana XIX/1-2).

______. Investigações lógicas: Sexta Investigação: Elementos de uma elucidação fenomenológica do conhecimento. Tradução de Zeljko Loparic. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1985. (Os pensadores).

______. Vorlesungen über Bedeutungslehre. Sommersemester 1908. Dordrecht/Boston/Lancaster: Martinus Nijhoff Publishers, 1987. (Husserliana XXVI).

______. Psychological and Transcendental Phenomenology and the Confrontation with Heidegger (1927-1931). Edited and translated by T. Sheehan and R. E. Palmer. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1997.

______. Logische Untersuchungen. Ergänzungsband. Erster Teil: Entwürfe zur Umarbeitung der VI. Untersuchung und zur Vorrede für die Neuauflage der Logischen Untersuchungen (Sommer 1913). Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 2002. (Husserliana XX/1).

______. Investigações lógicas: primeiro volume: Prolegômenos à lógica pura. Tradução de D. Ferrer. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2005.

______. Ideias para uma fenomenologia pura e para uma filosofia fenomenológica. Tradução de M. Suzuki. Aparecida, SP: Ideias & Letras, 2006.

______. Lições sobre a teoria da significação. Tradução de R. S. da Silva. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2007.

______. A ideia da fenomenologia. Tradução de A. Morão. Lisboa: Edições 70, 2008a.

______. Introduction to Logic and Theory of Knowledge. Lectures 1906/1907. Translated by C. O. Hill. Dordrecht: Springer, 2008b.

______. Meditações cartesianas e Conferências de Paris. Tradução de P. M. S. Alves. Lisboa: Centro de Filosofia da Universidade de Lisboa, 2010.

______. Investigações lógicas: segundo volume, parte I: Investigações para a fenomenologia e a teoria do conhecimento. Tradução de P. M. S. Alves e C. A. Morujão. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012a.

______. A crise das ciências europeias e a fenomenologia transcendental. Tradução de D. F. Ferrer. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012b.

KERN, I. The Three Ways to the Transcendental Reduction in the Philosophy of Edmund Husserl. In: ELLISTON, F.; McCORMICK, P. Husserl: Expositions and Appraisals. London: University of Notre Dame Press, 1977, p. 126-49.

LAVIGNE, J-F. Husserl et la naissance de la phénoménologie (1900-1913). Paris : PUF, 2005.

MOHANTY, J. N. Edmund Husserl’s Theory of Meaning. The Hague, Netherlands: Martinus Nijhoff, 1976.

PRADELLE, D. On the Notion of Sense in Phenomenology: Noematic Sense and Ideal Meaning. Research in Phenomenology, v. 46, p. 184-204, 2016.

SMITH, D. W.; McINTYRE, R. Husserl and Intentionality. Dordrecht: D. Reidel Publishing Company, 1982.

SOKOLOWSKI, R. Semiotics in Husserl’s Logical Investigations. In: ZAHAVI, D.; STJERNFELT, F. (eds.). One Hundred Years of Phenomenology: Husserl’s Logical Investigations Revisited. The Hague, Netherlands: Kluwer Academic Publishers, 2002, p. 171-83.

ZAHAVI, D. The Three Concepts of Consciousness in Logische Untersuchungen. Husserl Studies, v. 18, issue 1, p. 51-64, 2002.

______. Husserl’s Phenomenology. Stanford: Stanford University Press, 2003.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Allan Josué Vieira

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br