Justiça e o ocaso do ressentimento

José Fernando Rosa Ribeiro, Francisco Norval Mosimann

Resumo


Nosso trabalho propõe uma leitura sobre a Justiça como sublimadora ou como uma estratégia contra o ressentimento, tendo como base a Genealogia da Moral do filósofo alemão Friedrich Nietzsche. Ao nos defrontarmos com as preocupações do filósofo relacionadas ao Direito e à questão da justiça, percebemos, além de um fundo de desconfiança, uma vontade de propor soluções consonantes com a afirmação vida, de suas condições de reprodução e desenvolvimento, que consideramos aspectos centrais da sua filosofia. Essa hipótese vai de encontro à problemática visão de que ‘justiça’ consistiria em uma retribuição maquinada. Em razão disso, o presente estudo busca entender o que seria uma noção afirmativa de justiça e sua forma de expressão instituída, concretizada no direito. Sugeriremos que Nietzsche volta sua noção de justiça contra seus inimigos, expulsando todo idealismo e ressentimento, procurando um modo de justiça que busque a preservação e a intensificação da vida do todo. 


Palavras-chave


Nietzsche, justiça, direito, filosofia moral, filosofia do Direito

Texto completo:

PDF

Referências


BENOIT, Blaise. Nietzsche: da crítica da lógica do direito penal ao problema da concepção de um novo direito penal? In: Dissertatio [38] 11 – 36, verão de 2013.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs - capitalismo e esquizofrenia, vol. 5. São Paulo: Editora 34, 2008.

DUHRING, Eugen. A satisfação transcendente da vingança. Trad. Antonio Edmilson Paschoal. in: Estudos Nietzsche, Curitiba, v. 2, n. 1, p. 123-138, jan./jun. 2011.

DOSTOIEVSKI. Memórias do Subsolo. São Paulo: Editora 34, 2009.

KARAM, Maria Lúcia. A Esquerda Punitiva. In: Discursos Sediciosos: crime, direito e sociedade, ano 1, número 1, 1º semestre de 1996. Acesso em: http://emporiododireito.com.br/a-esquerda-punitiva-por-maria-lucia-karam/

NIETZSCHE, Friedrich. Genealogia da moral. Uma polêmica. Tradução, notas e posfácio Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2008.

______. Genealogia da moral. Trad. Mario Ferreira dos Santos. São Paulo: Vozes, 2009.

______. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres. Tradução, notas e posfácio Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2000.

______. Humano, demasiado humano: um livro para espíritos livres. Volume II. São Paulo: Companhia das letras, 2008.

______. Crepúsculos dos Ídolos. Ou de como filosofar com o martelo. Tradução, notas e posfácio Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das letras, 2006.

MARTON, Scartlett. A morte de Deus e a transvaloração de todos os valores. in: Hypnose. São Paulo: 1999, 133-143.

MONTAIGNE. Ensaios. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1964.

PASCHOAL, Antonio Edmilson. Dostoiévski e Nietzsche: anotações em torno do "homem do ressentimento". Estudos Nietzsche, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 181-198, jan./jun. 2010.

______. Nietzsche e o Ressentimento. São Paulo: Humanitas, 2014.

PLATÃO. A República. Trad. Maria Helena da Rocha Pereira. 14.ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2014.

______. Górgias. Trad. Manuel de Oliveira Pulquério. Lisboa: Edições 70, 2006.

SCHELER, Max. Da reviravolta dos valores. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2012.

SIEMENS, Herman. Travando uma guerra contra a guerra: Nietzsche contra Kant acerca do conflito. Kriterion [online]. vol.54, n.128, pp. 419-437, 2013. ISSN 0100-512X. Link para acesso: http://www.scielo.br/pdf/kr/v54n128/09.pdf

WOTLING, Patrick. Quando a potência dá prova de espírito: origem e lógica da justiça segundo Nietzsche. Cad. Nietzsche [online]. n.32, pp.203-232, 2013. ISSN 2316-8242. http://dx.doi.org/10.1590/S2316-82422013000100009.

__________. Nietzsche e o problema da civilização. São Paulo: Barcarolla, 2013a.

__________. Vocabulário de Friedrich Nietzsche. Trad.: Cláudia Berliner. São Paulo: WMF, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 José Fernando Rosa Ribeiro, Francisco Normal Mosimann

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br