Experiência fática da vida e o fenômeno do histórico: contribuições do jovem Heidegger

Marcos Alexandre Alves

Resumo


O artigo estabelece um “encontro” com Heidegger a partir da primeira parte, da primeira preleção do semestre de inverno de 1920/1921 - Introdução à fenomenologia da religião.  Explicita o método fenomenológico desde os conceitos de experiência fática da vida e do fenômeno histórico. Elucida a peculiaridade dos conceitos filosóficos e a diferença de princípio que há entre filosofia e ciência. Mostra a vida fática (concreta e individual) de cada homem, como elemento central da fenomenologia heideggeriana. Acompanha a reelaboração do método fenomenológico, que possa fazer jus à vida fática e à historicidade (mundos vitais e significatividade) enquanto ponto de partida da filosofia. Apresenta o significado do fenômeno histórico e a crítica à maneira habitual de pensar o histórico como “algo que transcorre no tempo” ou como “uma propriedade geral aplicável a todo objeto temporal” e àqueles que tomam o homem por objeto. Conclui-se que as vias de afirmação da vida contra o histórico caem no modo teorético, e não expressam o histórico em seu caráter imediato. Defende que preservar o caráter intranquilizador da história significa respeitar a historicidade viva e a força vital e multidirecional do sentido fático da existência humana - ser-aí.


Palavras-chave


Fenomenologia. Filosofia. Ciência. Experiência. Vida Fática. Fenômeno histórico.

Texto completo:

PDF

Referências


CARUZO, Miguel Angelo. Religião sem Deus: contribuição do jovem Heidegger para a filosofia da religião. Sacrilegens, Juiz de Fora, v.10, n.1, p. 33-45, jan-jun/2013.

ESCUDERO, J. Adrián. Fenomenología de la vida en el joven Heidegger. II. En torno a los cursos sobre religión (1920-1921). Revista Pensamiento, vol. 55, nº. 213, p. 385-412, 1999.

EVANGELISTA, Paulo Eduardo Rodrigues Alves. Heidegger e a fenomenologia como explicitação da vida fática. São Paulo: PUC-SP, 2008.

FERRANDIN, Jairo. Faticidade e historicidade: a protorreligiosidade cristã como chave interpretativa da experiência fática da vida. São Paulo: PUC-SP, 2010.

FIGAL, Günther. Martin Heidegger: Fenomenologia da liberdade. Rio de Janeiro: Forense, 2005.

GONÇALVES, Paulo Sérgio Lopes. A religião à luz da fenomenologia hermenêutica heideggeriana. Horizonte, v. 10, n. 26, p. 566-583, abr./jun. 2012.

HEIDEGGER, Martin. Introducción a la fenomenología de la religión. Tradução e prólogo de Jorge Uscatescu. México: F.C.E./ Siruela, 2006.

INWOOD, Michael. Dicionário Heidegger. Tradução de Luísa Buarque de Holanda. Rio de Janeiro: J.Z.E., 2002.

MAC DOWELL, J. A gênese da ontologia fundamental de M. Heidegger. São Paulo: Loyola, 1993.

SÁNCHEZ, Pablo Redondo. El proyecto incumplido de Heidegger. La explicación de la indicación formal en Introducción a la fenomenología de la religión. Revista Pensamiento, vol. 57, nº. 217, p. 3-23, 2001.

STAPLETON, Timothy J. Husserl and Heidegger: The Question of a Phenomenological Beginning. Albany: State University of New York Press, 1983.

STEIN, E. Compreensão e finitude. Estrutura e movimento da interrogação heideggeriana. Ijuí (RS): Ed. Unijuí, 2001.

USCATESCU, Jorge. Acerca de la fenomenología de la religión en las lecciones de Heidegger sobre la fenomenología de la vida religiosa. In: HEIDEGGER, Martin. Introducción a la fenomenología de la religión. México: Siruela e F.C.E., 2006, p.10-30.

KISIEL, Theodore. The genesis of Heidegger’s Being and Time. Berkeley; Los Angeles; London: The University of California Press, 1993


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Marcos Alexandre Alves

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/deed.pt

PERI - Revista de Filosofia
ISSN 2175-1811, Florianópolis,
Santa Catarina, Brasil
e-mail: revistaperi@contato.ufsc.br